Os grandes aviões e jatos comerciais na história do aeroporto da Pampulha

Desde 1937, Pampulha sempre recebeu grandes aviões comerciais, incluindo jatos de 2 ou 3 turbinas e turboélices com até 4 motores.



Os grandes aviões na história do Aeroporto da Pampulha
AnoAviãoIntroduçãoAsasNº de Motores
1937Lockheed 10EPanair17 m2 a pistão
1940Douglas DC-2Panair26 m2 a pistão
1947Douglas DC-3Aerovias29 m2 a pistão
1948Douglas DC-3Nacional29 m2 a pistão
1950Douglas C-47Nacional29 m2 a pistão
1956Curtiss C-46Nacional33 m2 a pistão
1954ConstelationPanair37 m4 a pistão
1955Convair 340Real32 m2 a pistão
1955Saab 90 ScandiaVASP28 m2 a pistão
1957Convair 440Nacional32 m2 a pistão
1958Convair 440Real32 m2 a pistão
1958Vickers ViscountVASP29 m4 Turbo-hélice
1959Douglas DC-4Real36 m4 a pistão
1962CaravellePanair34 m2 Turbo-jato
1969Boeing 737VASP28 m2 Turbo-jato
1970Boeing 727Varig33 m3 Turbo-jato
1970HS-748 AvroVarig30 m2 Turbo-hélice
1975Boeing 737Varig28 m2 Turbo-jato
1978Boeing 727Transbrasil33 m3 Turbo-jato
1980Fokker 27TAM29 m2 Turbo-hélice
1993Fokker 100TAM28 m2 Turbo-jato
1999Airbus A320TAM34 m2 Turbo-jato
2001Boeing 737Gol29 m2 Turbo-jato
2006Boeing 737Webjet29 m2 Turbo-jato
2008Foker 50Oceanair29 m2 Turbo-hélice
2008ATR 72Total27 m2 Turbo-hélice
2008ATR 72TRIP27 m2 Turbo-hélice
2012ATR 72Passaredo27 m2 Turbo-hélice
2013ATR 72Azul27 m2 Turbo-hélice
Foram listados aviões que têm a envergadura
das asas maior que 25 metros, com exceção
do primeiro avião para referência.

Os primeiros grandes aviões 

O aeroporto da Pampulha foi inaugurado em 1933, mais precisamente em 15 de fevereiro daquele ano, quando recebeu seu primeiro voo, no Correio Aéreo Militar. Mais tarde, em 1935 as companhias Panair do Brasil e a VASP realizaram voos experimentais no aeroporto, e passaram a disputar a concessão da  linha "Rio-BHZ-Rio". A Panair saiu vencedora e em 23 de março de 1937 decola o primeiro avião em voo comercial na Pampulha, o Lockheed 10E.
Lockheed 10E, o primeiro modelo de
avião comercial a operar na Pampulha,
operado pela Panair em 1937.
Antigamente, o movimento de passageiros não era relativamente tão grande como nos padrões atuais. Isso porque a aviação comercial era um serviço de alto luxo e os aviões, embora grandes, eram configurados para um número reduzido de passageiros. Por outro lado, a intensidade do movimento de aviões nos principais aeroportos daquela época é comparável aos dias atuais.

Em 1954, Pampulha era o terceiro aeroporto mais movimentado do país...

No ano 1947, o aeroporto da Pampulha atendia uma média de 9 voos por dia, mas em 1954 o aeroporto da Pampulha já era o terceiro mais movimentado do País. Segundo relatos de ex-funcionário das companhias Real e Varig, no final dos anos 50, só a Real-Nacional registrava pelo menos 35 decolagens em uma única manhã, quando os aviões comerciais chegavam a formar fila para decolar.

Nos anos 50, só uma das companhias que operavam na Pampulha era responsável por 35 decolagens em uma única manhã...
Aeroporto da Pampulha
Muitos aviões no pátio principal

Fato a se destacar é a presença do Vickers Viscount da VASP. Este grande avião de quatro motores, é o primeiro turbo-hélice do mundo e passou a operar no aeroporto da Pampulha em 1958. O modelo trouxe um salto na qualidade dos serviços aéreos já que o Viscount  era muito mais rápido que qualquer avião a pistão da época e proporcionava maior conforto, com a redução nas trepidações e turbulências, já que voava a maior altitude.

Os primeiros jatos comerciais

Os primeiros jatos comerciais existentes no mundo foram o britânico de Havilland Comet e o russo Tupolev Tu-104 (introduzidos em 1956), seguidos pelo americano Boeing 707 (em 1958), e o francês Sud Aviation SE-210 Caravelle I (em 1959). Este último era adequado para rotas de curta a média distâncias, enquanto que os três primeiros foram projetados para rotas de médio a longo alcance, sendo o 707 o primeiro 'transatlântico' de fato, com quatro motores.
Caravelle, o primeiro modelo de
jato comercial  do Aeroporto da
Pampulha, em 1962.

Destes quatro, o primeiro jato a operar voo comercial no Brasil foi o Caravelle I, pela Varig, no dia 2 de outubro de 1959, sendo usado para rotas internacionais. Em 1960, a Varig iniciou operações do Boeing 707 no Brasil nos voos internacionais e então direcionou as operações dos jatos Caravelle para rotas internacionais curtas e domésticas. A Varig começou a operar no aeroporto da Pampulha em 1961, ao incorporar a Real Transportes Aéreos, mas não há registros se Varig teria colocado seus seus jatos Caravelle na Pampulha.

Desde 1962 Pampulha já recebia aviões a jato, com os Caravelle da Panair. Os jatos se consolitaram no aeroporto no final dos anos 60 e meados de 70 com os Boeings 727 e 737 da Vasp, Varig e Transbrasil...

Boeing 727 da Cruzeiro do Sul / Varig
nos anos 70. Com três turbinas, foi o
maior jato comercial a operar
no aeroporto da Pampulha. 
Em 1961, a pista do aeroporto da Pampulha, que tinha 1740 metros, foi ampliada para 2540 metros, possibilitando a operação de aviões a jato. Então, a companhia Panair do Brasil, que era pioneira na Pampulha, adquiriu quatro jatos Caravelle, que então entraram nas operações domésticas do aeroporto de Belo Horizonte a partir de 1962. Assim, desde 1962 o aeroporto da Pampulha operava com aviões a jato. Porém, a era dos Caravelles da Panair na Pampulha não durou muito, já que em 1965 foi decretado o fechamento da companhia, no regime militar do Brasil.

Mas logo em 1969, a companhia Vasp, também atuante no aeroporto da Pampulha, começou a operar os primeiros jatos Boeing 737 no Brasil, vindo a consolidar a era dos jatos comerciais no aeroporto de Belo Horizonte. Já no ano seguinte a Varig começa a operar o Boeing 727, o maior jato da história da Pampulha, com três turbinas, 47 metros de comprimento e capacidade para 189 passageiros.

Mais tarde, em 1975, a Varig também já implanta o Boeing 737 nas rotas domésticas, incluindo o aeroporto da Pampulha. Ainda em meados dos anos 70 a Transbrasil adquire seus primeiros Boeing 727, que também passam a serem vistos no aeroporto da Pampulha a partir de 1975.
Alguns dos principais jatos comerciais da Pampulha, desde 1962
Respectivamente, um Boeng 737 da VASP (foto de 1974); um Boeing 737 da Varig (foto de 1975); um Fokker 100 da TAM (foto de 1993)
Em 13 de março de 2005, quase todos os voos comerciais do aeroporto da Pampulha foram transferidos para Confins, atendendo diretrizes políticas do governo estadual daquela época. Até o ano 2007 ainda foram permitidos alguns voos de ponte aérea para São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, enquanto as obras da chamada 'linha verde' eram concluídas. Esses últimos voos de ponte aérea eram operados nos jatos Airbus A320 e Boeing 737 das companhias Varig, Vasp, TAM, Gol e Webjet.


Referências:
• Arquivo JETsite
• Blog Aviação Nossa Paixão
• Blog Cultura Aeronáutica
• Blog Panair do Brasil
• Dados do Anuário do Transporte
Aéreo (DAC)
• Livro Aeroporto da Pampulha: BH
nas asas do progresso
• Portal Airliners.net
• Portal Jetphotos
• Revista Flap Internacional
• Site Aviação Brasil
• Site Aviação Comercial .net
• Site Aviação Paulista .com
• Site Varig-airlines.com
Share on Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment